tragedia na BR.116

Onibus transportava trabalhadores de corte de canaUm acidente envolvendo três veículos no km 583 na BR-116, entre os municípios de Milagres e Brejões, deixou 33 mortos na madrugada deste sábado (3).Trinta e uma pessoas morreram na hora, uma a caminho do Hospital Geral Prado Valadares e outra por volta das 7h, após receber os primeiros socorros. Outras 13 pessoas ficaram feridas, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Três dos feridos estão em estado grave e correm risco de morte.

Desde 1991, quando 34 pessoas morreram e 12 ficaram feridas na BA-265, no trecho entre Barra do Choça e Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia, após uma carreta capotar, o Estado não registrava um acidente tão grave.
A colisão ocorreu por volta da 1 hora, entre uma carreta que carregava gesso, de placa MGC 0080 (SC), um caminhão, de placa IOM 5967 (RS), e um ônibus de viagem da empresa TCB, placa AFW 0946 (SP), com trabalhadores de corte de cana de açúcar, que deixaram o estado de Mato Grosso do Sul com destino ao município de Buíque, em Pernambuco.
Embora esse tipo de fretamento seja considerado irregular, o ônibus circulava com uma liminar da Justiça Federal, emitida na cidade do Paraná, que autoriza o transporte de passageiros entre as cidade de Cubatão (SP) até Fortaleza (CE), informou presidente da comissão Regional de Fiscalização do Transporte de Passageiros da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Ruvenal Farias. Além disso, o veículo não pode ser apreendido em caso de blitz ou operação policial, pois possui uma outra limiar da Justiça de Brasília, que determina a não apreensão de qualquer veículo da empresa TCB Turismo.
Entre os pertences das vítimas do ônibus, que ficou totalmente destruído com o impacto da colisão, foram encontrados muitos brinquedos. Tudo indica, segundo a PRF, que seriam presentes para os familiares, já que as trabalhadores retornavam para casa para passar as festas de fim de ano.
Segundo um agente da PRF, do Posto de Milagres, a colisão ocorreu quando o condutor da carreta perdeu o controle da direção em uma curva e bateu no ônibus que seguia em direção contraria e fazia uma ultrapassagem na pista do meio. A força da batida jogou o ônibus contra o caminhão que estava na terceira pista e viajava carregado de material de escritório. O condutor do caminhão sobreviveu ao acidente.
Algumas vítimas chegaram a ser levadas para o hospital do município de Jaguaquara, mas, por falta de estrutura, tiveram que ser conduzidas ao hospital de Jequié. Os corpos dos mortos na tragédia foram encaminhados ao Instituto Médico Legal dos municípios de Jequié, Brumado e Vitória da Conquista. Viaturas do Serviço Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros, além de cinco ambulâncias da Via Bahia, realizaram o resgate das vítimas.
Com o ocorrido, a pista teve que ser interditada, nos dois sentidos, para o atendimento às vítimas, realização de perícia técnica e remoção dos veículos envolvidos. Até as 14h, viaturas da PRF, veículos de coordenação de tráfego e guinchos permaneciam no local. Por conta do acidente, um congestionamento de mais de 40 Km foi formado nos dois sentidos da rodovia.
Estado de saúde – O motorista da carreta Márcio Klenio Machado já teve alta, mas não quis falar com a imprensa. Outros doze ocupantes do ônibus seguem internados em estado grave, três deles na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O caso mais grave é o de Damião da Silva Pereira, com suspeita de morte cerebral.
O diretor geral do Hospital Geral Prado Valadares, em Jequié, Gilmar Vasconcelos, afirmou que foi aberto procedimento para confirmar o caso de Damião. “Tudo o que é possível para salvar a vida das vítimas está sendo feito”, disse Vasconcelos.
Segundo o médico, o secretário Estadual da Saúde, Jorge Solla, já foi comunicado do acidente. Ainda de acordo com Gilmar Vasconcelos, Solla teria entrado em contato com o secretário da Saúde de Pernambuco, Antonio Carlos Figueira, para viabilizar a vinda de familiares das vítimas do acidente para a Bahia, bem como o transporte dos corpos para o município pernambucano de Buíque, de apenas 30 mil habitantes.
O nome dos 11 internados em estado grave são: José Cláudio Cavalcanti da Silva; João Valdemir Bezerra da Silva; Jurandir Bezerra Cavalcanti; Jorge Batista da Silva; Rafael dos Santos; Edivando de Melo Silva; Valdison Monteiro de Santana; Gilmarques Alves da Silva; Everaldo Cavalcanti da Silva; Genilson de Melo Moreira; e Ailton Pereira da Silva.
Plantão – O Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Vitória da Conquista (a 509 km de Salvador) reforçou as equipes de plantão para acelerar os trabalhos de necropsia em 15 corpos das vítimas.
“Desde que fomos acionados estamos no aguardo e torcendo para que não ocorram novos eventos fatais durante o final de semana, o que iria sobrecarregar as atividades e atrasar o processo de necropsia dessas vítimas na BR 116”, assinalou o plantonista do DPT, que se identificou como Fred.
Ainda de acordo com o plantonista, a liberação de todos os necropsiados deve ocorrer até o final da manhã de domingo, 4, porém ele não soube informar sobre a identidade das vítimas, nem se houve contato de parentes com o DPT.
Os corpos, após liberados, ficam à disposição das famílias em compartimentos na sala do Instituto Médico legal (IML), que funciona anexo ao Complexo Policial, na zona oeste de Conquista. Os contatos devem ser feitos pelo telefone (77) 3426-3473.


Médico é suspeito de degolar feto durante atendimento

Será ouvido na próxima semana um médico boliviano que é suspeito de degolar o feto de uma grávida de cinco meses no município de Iramaia, a 415 km de Salvador. De acordo com informações de Otenilson Fonseca, escrivão da Polícia Civil, uma jovem de 17 anos que estava grávida começou a sentir dores nas costas e ter sangramento quando foi levada para o Hospital Municipal de Iramaia no dia 19 de novembro. Quando chegou na unidade, a paciente relatou o que estava sentindo e, segundo ela, o médico lhe deu um remédio para aumentar as contrações com o objetivo de realizar um parto de emergência, relatou o agente policial.

Ainda segundo a polícia, a vítima contou que durante a tentativa de parto, o médico acabou degolando o feto e retirando o seu corpo. Diante do problema, o médico resolveu encaminhar a paciente para o Hospital Prado Valadares na cidade de Jequié para fazer uma curetagem. Foi nessa unidade que outro médico constatou que havia apenas a cabeça do feto, realizando a curetagem. Segundo a polícia, a jovem está bastante abalada com a situação e o Conselho Tutelar do município se responsabilizou por providenciar um atendimento psicológico para ela. O material colhido durante a curetagem e o corpo que estava no Hospital de Ibotirama foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica, em Jequié. O laudo que deve identificar a causa do aborto deverá ser emitido em 30 dias.